Logística Reversa (Pós-Consumo) e o Gerenciamento de Resíduos Sólidos Fique por dentro
logística reversa
15 mar

Logística Reversa (Pós-Consumo) e o Gerenciamento de Resíduos Sólidos

A Logística Reversa é uma transformação no modo de pensar em como se lida com os produtos que saíram de uma fábrica/indústria.

Se antigamente o descarte em aterros sem nenhum planejamento era a saída mais usual, atualmente a responsabilidade socioambiental exige uma preocupação maior a dar uma destinação final mais adequada.

Para entender melhor essa história, nós vamos te explicar o conceito sobre esse tema e como ele é aplicado na prática.

A origem da Logística Reversa

A Logística Reversa, como a conhecemos atualmente, começou a ser desenhada por volta dos anos 1990, período pós-industrial em que se foi possível perceber que a industrialização trouxe um aumento do uso dos recursos naturais finitos e que era necessário pensar em medidas que fossem capazes de diminuir os impactos ambientais.

Alguns importantes nomes tiveram papel crucial em propagar o conceito de Logística Reversa, tais como James R. Stock, Craig R. Carter e Lisa M. Ellram.

Atualmente, estudiosos sobre o assunto definem que o ciclo produtivo exige um planejamento sobre o reaproveitamento de produtos e resíduos industriais, bem como a reciclagem dos materiais aptos aos procedimentos capazes de reintroduzi-los nos processos produtivos de uma empresa.

3 benefícios de se investir em Logística Reversa

O comportamento dos clientes de diferentes segmentos do mercado tem mudado gradativamente.

A preocupação com o meio ambiente, preservação dos recursos naturais e a busca por produtos fabricados por empresas responsáveis tem crescido em nosso país.

Com base nessas informações, as fábricas/indústrias têm ido em busca de melhorar seus processos e reduzir seus impactos na natureza.

1 – Um meio ambiente mais preservado

Todos os recursos naturais, sem exceção, são finitos. Isso significa que o uso desenfreado e sem nenhum tipo de planejamento e/ou compensação é proporcionar apenas malefícios à sua empresa, à natureza e à sociedade.

Ao criar políticas de gestão ambiental e implantá-las em sua empresa, você garante que haja um ciclo muito mais produtivo, com Valorização dos Resíduos e envio aos destinos finais mais apropriados.

2 – Dedução Fiscal

O governo brasileiro, por meio da Lei do Imposto de Renda RIR 99, artigo 291, permite a dedutibilidade de impostos sobre os custos dos produtos inservíveis (não comercializáveis).

Na prática, você pode encaminhar seus produtos obsoletos, com algum tipo de avaria, bem como matérias-primas e embalagens não comercializáveis para:

  • Receber a descaracterização (Proteção da sua Marca);
  • Tratamento mais adequado e envio para destinação final com menor impacto ambiental;
  • Obter o equivalente a 34% referente aos custos estimados para os produtos sem comercialização, informados em laudo conclusivo.

3 – Custos reduzidos

Algumas empresas resistem à Logística Reversa por imaginar que pode haver um aumento nos custos. No entanto, o que acontece é exatamente o contrário. Ao investir neste procedimento, há uma significativa redução.

Você pode realizar comparações para identificar que o investimento vale a pena.

Leia também: Gerenciamento de Resíduos Sólidos: Uma necessidade para o futuro do Planeta

VOLTAR

Reciclagem de Cosméticos contribui para preservar os recursos naturais

A Reciclagem de cosméticos, quando possível, é uma alternativa para atender a demanda de produtos...

Reciclagem de Fraldas Descartáveis: Uma solução eficiente de destinação final

A Reciclagem de Fraldas Descartáveis pré-consumo é um procedimento ecologicamente correto em qu...

Logística Reversa (Pós-Consumo) e o Gerenciamento de Resíduos Sólidos

A Logística Reversa é uma transformação no modo de pensar em como se lida com os produtos que sa...

Gerenciamento de Resíduos Sólidos: Uma necessidade para o futuro do planeta

O Gerenciamento de Resíduos Sólidos é uma exigência estabelecida pela Lei 12.305/10 – Polític...