Author Archives: rcr

Veja a importância da Logística Reversa na economia das empresas e no meio ambiente 1

Veja a importância da Logística Reversa na economia das empresas e no meio ambiente

Com o passar dos anos e com o aumento da população e do consumo, cresceu drasticamente o número de resíduos e lixo. Para se ter uma noção, em 2018, foram gerados 79 milhões de toneladas de resíduos no Brasil, cerca de 1% a mais do que no ano anterior, de acordo com uma pesquisa realizada pela Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais (Abrelpe).

Ainda seguindo este estudo, dentre o número acima, cerca de 29,5 milhões de toneladas de resíduos sólidos urbanos foram despejados de forma inadequada em lixões ou aterros controlados, ou seja, que não possuem medidas de proteção à saúde e ao meio ambiente. O número é assustador, mas a crescente preocupação com o meio ambiente e políticas públicas estão melhorando o cenário gradualmente.

A reciclagem de resíduos e lixo não é novidade para ninguém, há muitos anos pratica-se a reutilização de plásticos e outros materiais. Entretanto, a implementação e regulamentação da logística reversa no Brasil não é tão velha assim.

Em 2010, a responsabilidade sobre detritos, antes exclusiva dos consumidores, passou a ser compartilhada com os respectivos fabricantes com a implantação da Lei nº 12.305, com a Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS). Porém, pouco se avançou ao longo dos anos.

Somente em 2017, com a edição do Decreto nº 9177, é que o movimento começou a avançar, com a regulamentação de dois importantes instrumentos para viabilizar a logística reversa: o termo de compromisso e o acordo setorial. Mas, afinal, o que é exatamente a logística reversa que tanto se fala?

Continue lendo e confira tudo o que você precisa saber sobre o assunto para implementar na sua empresa.

O que é logística reversa?

Basicamente, a logística reversa é o segmento da logística que planeja e operacionaliza, de forma eficiente e econômica, o fluxo físico de produtos, matéria-prima, embalagens e outros materiais, englobando desde o ponto de consumo até o local de origem da fabricação.

Este conceito tem como objetivo restringir o descarte inadequado de resíduos, que prejudicam o meio ambiente e à saúde da população (principalmente quem está em situação de vulnerabilidade social), e recuperar parte do valor de produção do produto.

É importante destacar também que dentro da logística reversa também está incluso a devolução e a troca de produtos, em sua maioria aqueles adquiridos pela internet. Com o aumento da preocupação ambiental e com o crescimento agressivo das compras digitais, a logística reversa torna-se uma medida cada vez mais importante dentro das empresas.

Ao mesmo tempo em que se faz necessária a implantação da logística reversa nas empresas, também é preciso a conscientização dos consumidores. “De nada adianta ter o mais moderno sistema de logística reversa se o indivíduo não se conscientizar minimamente, separar e retornar o resíduo de acordo com as categorias e utilizando meios apropriados”, ressalta André Navarro, diretor comercial da RCR Ambiental, líder em logística reversa e gestão de resíduos. A empresa está há quase 20 anos no mercado e auxilia mais de 400 clientes a encaminharem toneladas de materiais ao destino final mais apropriado.

Cinco setores prioritários na logística reversa

Por terem produtos tóxicos e prejudiciais ao meio ambiente e à saúde, tanto de humanos quanto de animais, foram elencados setores prioritários que devem seguir com mais rigor as regras da logística reversa. Veja abaixo quais são:

Produtos e componentes eletrônicos;
Embalagens plásticas de óleos lubrificantes;
Lâmpadas de mercúrio, vapor de sódio e mista;
Embalagens e resíduos de medicamentos;
Embalagens em geral (papel, papelão, aço, vidro, alumínio, longa vida).
André Navarro explica que “por muito tempo, ficou em evidência a logística reversa de pneus, eletrônicos e pilhas/baterias. Atualmente, estamos numa fase focada em bens de consumo (medicamentos, cosméticos, produtos de higiene e limpeza), além de embalagens e aerossóis”.

Quais são os benefícios de aplicar a logística reversa?

A logística reversa tem inúmeros benefícios para a empresa e para também o meio ambiente e saúde pública. O executivo comenta alguns benefícios atrativos para quem decide investir neste tipo de serviço.

“A empresa que adota um sistema de logística reversa adequado passa a priorizar a economia circular frente a economia tradicional (linear), promovendo uma mudança comportamental com ganhos óbvios para o meio ambiente e sociedade. As empresas, incluindo as indústrias cosméticas, logo observam ganhos econômicos, já que identificam oportunidades em eficiência, reduzindo custos”, comenta André.

Veja abaixo as explicações destes benefícios:

Cumprimento da lei

Como mencionado anteriormente, a Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS) foi implementada em 2010, com avanços importantes nos anos seguintes como os acordos setoriais e estaduais.

No Estado de São Paulo, por exemplo, a Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb) começou a exigir, a partir de 2018, a inclusão de metas de coleta e outras condições na implementação e operação da logística reversa. O Governo do Acre e Paraná também adotaram medidas parecidas.

Estas condições são fundamentais e condicionantes para a emissão ou renovação das licenças ambientais para uma série de cadeias produtivas, como farmacêutica, bem como as embalagens de remédios e de produtos de higiene pessoal, cosméticos e perfumaria.

Já os acordos setoriais foram realizados como os setores prioritários, listados logo acima. Em 2012, um acordo foi assinado com o segmento de embalagens plásticas de óleos lubrificantes. Três anos depois, foi a vez dos setores de embalagens em geral e de lâmpadas, por exemplo.

Preservação do meio ambiente

Entre 2017 e 2018, a geração de resíduos sólidos urbanos no Brasil aumentou quase 1%, conforme mencionado acima, e chegou a 216.629 toneladas diárias, segundo a Abrelpe. Deste percentual, mais de 40% foram jogados de forma inadequada em lixões e aterros controlados.

O diretor comercial da RCR Ambiental exemplifica o perigo de não fazer um descarte adequado. “um aerossol, após o uso sem a devida logística reversa implementada e os seus cuidados necessários, além de danos ao meio ambiente pode causar sérios problemas de saúde (ferimento) nas pessoas”.

Além de prejudicar a saúde e poluir o meio ambiente, o descarte incorreto também pode causar sérias punições às empresas que não respeitarem a lei. “Todo impacto causado ao meio ambiente e a população pode resultar em grandes prejuízos, como multas, indenizações, recuperação ao dano ambiental, podendo chegar à liquidação da empresa. Além das sanções legais, o maior prejuízo é causado na marca das empresas, prejudicando sua reputação com diversos impactos, como a diminuição das vendas e queda de ações, afetando financeiramente as empresas envolvidas”, alerta André.

Rentabilidade

Reduzir, reutilizar e reciclar para aumentar a rentabilidade, esses são os R’s da sustentabilidade. Para reduzir a quantidade de resíduos gerados, as empresas podem otimizar seus processos produtivos, tornando-os mais rentáveis e inovadores. Além disso, também podem fazer parcerias para aumentar o número de pontos de coleta para depois realizarem a reciclagem.

Para André, investir nesse segmento é muito vantajoso. “Além de oferecer um atendimento de nível superior aos clientes, as empresas também economizam, onde aplicável, no custo de matéria prima x utilização do material reciclável, permitindo conquistar uma vantagem competitiva no mercado, soma-se a isso o posicionamento positivo das marcas”, acrescenta.

É muito caro investir na logística reversa?

Agora que apresentamos para você os benefícios da logística reversa, vamos mostrar que nem todo investimento precisa ser acima do seu budget. Navarro explica que o valor varia de acordo com as necessidades da empresa e da criatividade.

“Existem sistemas que exigem investimentos milionários, mas ao mesmo tempo há outros sistemas que podem ser desenvolvidos com muita criatividade e baixo aporte financeiro”, comenta o diretor comercial da RCR Ambiental, que oferece pacotes e serviços para todos os bolsos.

Todo investimento exige estudo e tempo, tanto antes, quanto durante a implantação, até chegar ao equilíbrio. “É preciso estar preparado, visto que vários projetos podem não funcionar da forma imaginada, ao mesmo tempo em que é necessário manter persistência e foco para garantir o máximo de sucesso. Estabelecer parcerias de alto nível e manter pessoas capacitadas são fatores fundamentais.”

Uma coisa é certa: já passou da hora das empresas investirem em logística reversa. Os consumidores estão mais conscientes e buscam por empresas com valores similares aos seus. Quatro em cada dez brasileiros conferem se produtos são ecologicamente corretos. Mais do que bem informado, eles estão dispostos a pagar mais por estes produtos, segundo mostra uma pesquisa realizada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI).

Agora que você já sabe tudo o que precisa sobre logística reversa, que tal planejar a implantação deste serviço na sua empresa? Se precisar, a RCR Ambiental pode te ajudar com muitas dicas sobre o assunto.

Confira o artigo oficial no site da Talk Science.

Entenda o Gerenciamento de Resíduos Sólidos 2

Entenda o Gerenciamento de Resíduos Sólidos

O Gerenciamento de Resíduos Sólidos tem como objetivo sanar um dos problemas que a industrialização trouxe ao meio ambiente: o aumento de agentes poluentes que, por muito tempo, foram descartados sem nenhum tratamento diretamente na natureza.

Deixar de pensar na forma apropriada para o descarte de resíduos já não é mais aceitável, pois cada vez mais o consumidor busca produtos e serviços de empresas ambientalmente responsáveis.

O que são Resíduos Sólidos

A própria PNRS define como Resíduos Sólidos os materiais, substâncias e objetos que foram descartados em decorrência das atividades humanas. A Lei ainda reforça a necessidade de desenvolvermos soluções viáveis para esse tipo de situação, principalmente ao que tange os Resíduos Industriais. Diante desta situação, uma prática ganhou bastante força: o Gerenciamento de Resíduos Sólidos. Vamos entender melhor como isso funciona.

Etapas do Gerenciamento de Resíduos Sólidos

Para entender melhor como funciona esse tipo de gerenciamento, precisamos separá-lo em seis partes:

1. Não geração de Resíduos Sólidos;
2. Redução;
3. Reutilização;
4. Reciclagem;
5. Tratamento dos Resíduos Sólidos;
6. Destinação final.
A gestão de resíduos sólidos só é eficiente com o apoio do Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos. E, para isso, é fundamental utilizar a lista.

O que a legislação diz sobre o PNRS

A lei determina quais são os setores que são obrigados a ter um PNRS para que seja possível realizar suas atividades. Ficam obrigadas a ter o plano as empresas que:

● Prestam serviços públicos de saneamento básico (exceto resíduos domiciliares e de limpeza urbana);
● Geram resíduos industriais em seus processos produtivos e/ou instalações;
● Prestam serviços na área da Saúde;
● Extraem, pesquisam ou são beneficiados pela mineração;
● Geram Resíduos classificados como perigosos;
● Atuam com a Construção Civil;
● Acumulam resíduos superiores ao volume gerado por residências;
● São responsáveis por terminais e instalações (portos, aeroportos, terminais alfandegários, rodoviários, passagem de fronteiras etc.);
● Realizam atividades agrossilvopastoris (quando exigidos pelo Sisnama, SNVS ou Suasa).

Todo gerenciamento de resíduos deve seguir o que recomenda o plano municipal específico.

O que achou do nosso artigo sobre o gerenciamento de resíduos sólidos? Se tiver alguma dúvida sobre como lidar com essas questões, converse com um dos nossos especialistas. Estamos no mercado de sustentabilidade ambiental há 20 anos,desenvolvendo as melhores práticas para preservar o nosso meio ambiente.

Veja como podemos te ajudar nessa missão!

Transporte de Resíduos Perigosos: Saiba como é feito e a sua importância 3

Transporte de Resíduos Perigosos: Saiba como é feito e a sua importância

O transporte de resíduos perigosos é um serviço indispensável, pensando nisso, preparamos esse artigo para te explicar os principais tópicos relacionados a essa atividade, confira!

Antes de mais nada, é importante destacar que a resolução da Agência Nacional de Transportes Terrestres ANTT – 5232/2016, veio justamente para evitar prejuízos ao meio ambiente, as pessoas e aos próprios trabalhadores envolvidos com transporte de resíduos perigosos.

Caso a empresa geradora desse tipo de resíduo não possua uma infraestrutura adequada é permitido a terceirização. Confira mais informações sobre como, de fato, é feito esse tipo de procedimento, a classificação dos resíduos que são considerados perigosos, documentações e as obrigações dos geradores de resíduos.

Como é feito o transporte de Resíduos Perigosos?

Para que haja uma padronização das regras para o transporte eficiente dos resíduos que são perigosos, o Ministério dos Transportes estabeleceu o decreto 96044, que deve ser obedecido tanto por quem gera o resíduo quanto por quem o transporta. É importante que exista uma logística muito bem planejada para que não haja nenhum tipo de acidente.

Classificação dos Resíduos considerados perigosos

A classificação do resíduo deve atender à Portaria nº 204 do Ministério dos Transportes, de acordo com as exigências prescritas para a classe ou subclasse apropriada. Além disso, ela considera os respectivos riscos e critérios, devendo enquadrá-los nas designações genéricas.

Exemplos de Resíduos Perigosos

São considerados resíduos perigosos todo aqueles que estão na classe de risco porque são capazes de contaminar o meio ambiente, colocar a saúde das pessoas em risco e etc. Eles precisam de um local apropriado para o descarte correto.

Atualmente, eles são da seguinte forma:

● Inflamável;
● Corrosivo;
● Reativo;
● Tóxico;
● Patogênico.

Todos eles precisam ser descartados de forma correta.

Documentações exigidas por lei

Para que o processo seja realizado, é necessário que a empresa tenha uma série de certificados e licenças.

Saiba quais são os documentos exigidos:

● CIV – Certificado de Inspeção Veicular;
● CIPP – Certificado de Inspeção de Transporte de Produtos Perigosos;
● ANTT – Resolução ANTT 5.232/2006;
● Licença de Transporte Estadual;
● Licença de Transporte Interestadual;
● Licença de Operação;
● Ficha de emergência – NBR 7503:2003;
● Plano de emergência e contingência;
● Manifesto de Transporte;
● Carteira Nacional de Habilitação;
● Certificado de Movimentação Operacional de Produtos Perigosos;
● Envelope de Transporte.

Se tiver alguma dúvida sobre como lidar com essas questões, converse com um dos nossos especialistas. Estamos no mercado de sustentabilidade ambiental há 20 anos, desenvolvendo as melhores práticas para preservar o nosso meio ambiente.

Veja como podemos te ajudar nessa missão!

Saiba como contratar uma empresa para transporte de resíduos perigosos

Lixo Eletrônico

O que é lixo eletrônico? Saiba como descartá-lo sem prejuízos à natureza

A tecnologia invadiu nossos lares e trabalhos. Está presente em quase tudo que fazemos em nossa rotina. No entanto, tudo que consumimos precisa ter um descarte adequado para protegermos a natureza e a nossa própria saúde.

O conceito a respeito sobre o que é lixo eletrônico o define como sendo todo e qualquer tipo de equipamento/produto que, após um período de uso, é descartado por não funcionar mais ou por trocar por um mais atual.

O lixo eletrônico é um desafio ao redor do mundo. Neste artigo, você confere mais informações sobre as medidas que o Brasil tem tomado e as opções viáveis para sanar esse problema.

 Exemplos sobre o que é lixo eletrônico

É comum associarmos o e-lixo, como também é conhecido o lixo eletrônico, com o descarte de computadores e celulares, porém, há uma lista mais extensa que inclui, por exemplo:

  • Bateria de celular;
  • HD Externo;
  • Mouse;
  • Pen-drive;
  • Teclado;
  • Impressora;
  • Televisão;
  • No-break.

Além disso, todos os produtos eletrônicos precisam de uma correta destinação, pois anualmente são produzidas toneladas de lixo eletrônico em todo o mundo.

 Lixo Eletrônico no Brasil

Seja Pessoa Física ou Jurídica é extremamente importante saber onde descartar o lixo eletrônico. Embora haja uma longa jornada para o Brasil, já que das 5.570 cidades brasileiras apenas 724 investem em coleta desse tipo de material, o Estudo Global e-Waste Monitor 2017 identificou que o nosso país é o líder em reciclagem desse tipo de lixo.

Uma das medidas que reforça esse compromisso é estabelecida pela Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS), que define o que fazer com o lixo eletrônico e obriga aos importadores, comerciantes, distribuidores e fabricantes a terem medidas eficientes para não poluir o meio ambiente.

 Como é feita a reciclagem do lixo eletrônico?

A Reciclagem de Eletrônicos é o meio mais eficiente para que o material produzido, e que agora está sem utilidade, possa ser tratado.

Atualmente, o lixo eletrônico pode ser reciclado das seguintes formas:

  • Separação automatizada;
  • Desmontagem e separação dos componentes;
  • Realizar a moagem;
  • Reutilizar o eletrônico.

O não tratamento implica em permitir que metais pesados sejam descartados diretamente no solo, o que atinge diretamente a água, o solo e o ar.

 Locais proibidos

Com ou sem más intenções, algumas pessoas realizam o descarte de aparelhos eletrônicos em mares, praias ou colocam fogo sem nem ao menos saber os perigosos que o ato promove.

Para evitar esse tipo de situação, esses locais são proibidos para o descarte do lixo eletrônico.

Uma empresa de gestão de resíduos sabe exatamente como reciclar corretamente o e-lixo. Procure sempre pelo serviço que seja confiável.

Quero reciclar o lixo eletrônico produzido em minha empresa

 

Contaminação de Solo

Contaminação do Solo: Impactos Ambientais

A contaminação do solo tem sido uma das principais preocupações dos especialistas na área ambiental, diante da importância que o solo possui na nossa rotina. O cuidado deve ser o mesmo com o qual mantemos ao impedir a poluição do ar e das águas.

O solo que utilizamos na agricultura e que é fonte de outras matérias primas indispensáveis à vida humana pode ser atingido e ter sua saúde afetada pela ação do homem. O desconhecimento do assunto, pode provocar tragédias que causam a erosão e a contaminação do solo.

Como o solo pode ser contaminado?

A resposta dessa pergunta está resumida na alta concentração de substâncias químicas, como os hidrocarbonetos policíclicos aromáticos (HPAs), derivados da combustão do carvão, óleos jogados diretamente no solo, resíduos sólidos (o nosso lixo) e muito mais.

Além dos HPAs, existem os Compostos Orgânicos Voláteis (COVs), originários do descarte de produtos derivados do petróleo, de solventes usados na indústria e pesticidas. Além disso, o desmatamento faz parte integrante das razões para a contaminação do solo.

O descarte irregular causa danos que podem ser permanentes e causar doenças ao ser humano, capazes de levar à morte. Por isso, é importante sabermos os impactos que o descarte causa ao meio ambiente e suas consequências.

Os impactos ambientais com a contaminação do solo:

 As consequências da poluição do solo são diversas e podem ser altamente perigosas. Além de causar danos que podem ser permanentes, a contaminação pode acelerar o surgimento de doenças, algumas delas que levam à morte.

Os impactos mais comuns no solo pela contaminação são:

  • Redução da fertilidade do solo;
  • Erosão;
  • Desequilíbrio do ecossistema;
  • Redução e desaparecimento da vegetação nativa;
  • Aumento da salinidade;
  • Liberação de gases poluentes;
  • Contaminação dos alimentos que a terra produz;
  • Desertificação;
  • Problemas de saúde pública, entre elas as doenças, como esquistossomose, tétano, doença da lombriga, entre outros.

Para se evitar o risco de problemas, é necessário ações práticas no controle do descarte irregular de lixo e de produtos químicos e tóxicos de pessoas e empresas, fiscalização permanente e cumprimento das leis ambientais. Além do papel do Estado, nós devemos fazer a nossa parte em ações que evitem a contaminação do solo.

Como evitar a contaminação do solo?

A solução para que o solo não seja contaminado e prejudique a produção de alimentos e cause problemas endêmicos de saúde consiste em:

  • Descartar o lixo em local adequado;
  • Reduzir o uso de produtos químicos que poluem o terreno;
  • Contratar uma empresa que faça o tratamento do solo contaminado.

A RCRambiental realiza o processo de remoção e tratamento de solo com equipe de ponta e consultoria focada em processos que realizam o diagnóstico ambiental com precisão.

Entenda o processo de incineração de resíduos 4

Entenda o processo de incineração de resíduos

 Segundo levantamento do Sindicato Nacional das Empresas de Limpeza Urbana (Selurb) realizado em 2018, o nosso país produz mais de 78 milhões de toneladas de resíduos por ano, sendo a grande maioria de resíduos sólidos urbanos, como lixo comum, lixo hospitalar, pneus, entre outros. Porém, a queima incorreta traz prejuízos para a natureza e para a população.

É muito comum verificarmos no Brasil o tratamento incorreto de resíduos, principalmente em regiões periféricas, como forma de eliminar o lixo produzido, onde a coleta é considerada ineficiente. Porém, o efeito ambiental dessa queima é altamente prejudicial ao ser humano.

Como exemplo, a queima de pneus pode emitir na atmosfera gases como o monóxido de carbono, benzeno, Arsênio, Cádmio, Dioxinos, entre outros. Por isso, é muito importante a incineração de forma controlada e tratada.

Entenda como funciona a incineração de resíduos sólidos e quais podem ser incinerados.

Funcionamento

A incineração de resíduos é um processo que consiste na destruição térmica por oxidação, em temperaturas que vão de 900° e pode chegar a 1250°C. O tempo de residência em que o material será incinerado, é controlado. O controle é para permitir a quebra orgânica do resíduo, de modo a reduzir o volume e diminuir o risco de toxicidade do material.

A incineração reúne cinco etapas:

  • Preparação do resíduo;
  • Combustão em altas temperaturas;
  • Controle de poluentes que possam ir a atmosfera;
  • Controle dos efluentes;
  • Manuseio e encaminhamento das cinzas para o aterro classe I, específico para este fim.

A incineração é indicada também para fins de geração de energia, de forma a aproveitar parte da energia liberada no processo de queima na geração de energia térmica ou elétrica. Além disso, pode ser usado na eliminação de sobras, dando uma destinação final adequada e segura a estes resíduos.

Resíduos que podem ser incinerados

A incineração é um método eficiente, além de ser uma maneira sustentável de destinar as sobras da sua produção. Veja quais resíduos devem ser incinerados:

  • Resíduos hospitalares, utilizados principalmente em necrotérios, clínicas e hospitais, dividido em dois grupos.
    • O grupo A são os resíduos infectantes em potencial, como bolsa de sangue;
    • Grupo B são os resíduos químicos capazes de poluir o meio ambiente, como os medicamentos para câncer, reagentes etc.;
  • Defensivos agrícolas;
  • Lixo comum;
  • Outros.

Incinerar dentro das leis ambientais

O processo de incineração é vantajoso e deve ser feito dentro das leis ambientais brasileiras, principalmente pelos gases emitidos na queima dos resíduos. A Política Nacional de Resíduos Sólidos (Lei 12.305/10) determina os parâmetros necessários para a incineração sem prejuízos ao meio ambiente.

Incineração na RCRambiental

A RCRambiental possui consultoria especializada para indústrias e empresa destinarem seus resíduos de forma segura, sustentável e econômica aos nossos clientes, respeitando a legislação ambiental com as melhores soluções em incineração de resíduos.

Sustentabilidade nas empresas: como implementar? 5

Sustentabilidade nas empresas: como implementar?

A sustentabilidade nas empresas não é só mais um quesito adicional. Esta questão tornou-se parte de todos os processos operacionais da empresa, melhora a reputação corporativa e até mesmo reduz custos das etapas de produção. Por isso, a sustentabilidade empresarial precisa ser um tópico a ser abordado e colocado em prática em sua empresa.

O que é sustentabilidade empresarial?

Pode não ser tão óbvio assim, mas a sustentabilidade na empresa afeta a todos. Não somente a reputação da empresa, como também seus gestores e subordinados. Isso porque, as práticas de sustentabilidade estão diretamente relacionadas com o bem-estar dos trabalhadores, do meio em que vivem e até mesmo na otimização da produção.

Por isso, definimos sustentabilidade empresarial como políticas, ações e práticas no meio corporativo que têm como objetivo reduzir os impactos no meio ambiente. Essas práticas são aplicadas às todas as operações da empresa, levando à uma produção mais otimizada e sustentável.

Impactos das ações sustentáveis

Os impactos das práticas sustentáveis são muitos. Entre eles, podemos citar a principal, como a eliminação de resíduos produzidos pela indústria e também a de produtos que são inservíveis. Com isso, conseguimos reduzir custos, e também impactos no uso de energias para produção. Outras reduções são nas fontes de matérias-primas da produção industrial.

Benefícios da sustentabilidade

Além dos impactos mencionados, ainda podemos citar como benefício da sustentabilidade nas empresas:

  • preservação do meio ambiente;
  • redução de resíduos sólidos;
  • tratamento e logística reversa;
  • redação da matéria-prima de produção;
  • retornos tributários;
  • qualidade de vida e consumo consciente.

 

Como implementar práticas de sustentabilidade nas empresas:

 

  1. Contrate uma empresa para o gerenciamento de inservíveis e resíduos

Conte com uma instituição como a RCRambiental para toda a gestão de inservíveis e resíduos. Contamos com todos os cuidados necessários para a proteção da sua marca, redução tributária e outros benefícios dessa logística.

  1. Faça a conscientização interna

A comunicação interna sobre a nova política de sustentabilidade na empresa é essencial. Para isso, elabora cartazes, e-mails e outras maneiras de conscientizar os colaboradores quanto à necessidade de práticas mais sustentáveis. Além disso, forneça dicas e ações que podem ser aplicadas no dia a dia na empresa.

  1. Proporcione treinamentos

Caso haja a necessidade, proporcione treinamentos adequados para as práticas de sustentabilidade que podem ser aplicadas nos processos de produção da empresa.

  1. Disponibilize equipamentos e locais adequados

É preciso também disponibilizar equipamentos adequados para as práticas e locais apropriados para coletas seletivas de resíduos, por exemplo. Desta forma, todos colaboram com a sustentabilidade na empresa e aprendem a adotar práticas melhores.

O que diz a Política Nacional de Resíduos Sólidos

O Ministério do Meio Ambiente determinou, por meio da Lei n° 12.305/10, a Política Nacional de Resíduos Sólidos que refere-se sobre o manejo desses resíduos e prevê punição para indústrias que não possuem coleta e destinação adequada.

Portanto, é responsabilidade da empresa ou fabricante o manuseio correto do que foi gerado, seja para reciclagem ou para a logística reversa.

Sustentabilidade

3 R’s da Sustentabilidade: Como utilizá-los em sua empresa

Os 3 R’s da Sustentabilidade são eficientes meios de contribuir com o consumo consciente, mas ainda geram muitas dúvidas a respeito do seu real significado.

Investir em coleta seletiva é um dos melhores meios para contribuir com um mundo melhor, já que a produção de produtos industrializados fez crescer a quantidade de resíduo descartado e a decomposição ocorre de forma lenta e prejudicial aos recursos naturais, que são escassos.

A origem dos 3R’s

A política dos 3R’s surgiu após dois importantes eventos:

  • Conferência da Terra – 1992;
  • 5° Programa Europeu para ambiente e Desenvolvimento – 1993.

A partir deles, determinaram-se práticas para Reduzir, Reutilizar e Reciclar (3 R’s da Sustentabilidade).

A Importância dos 3 R’s da Sustentabilidade

Você já parou para pensar que tudo que consumimos, produzimos e descartamos fica em nosso planeta?
Diariamente, toneladas de lixo são descartadas de forma irregular, inclusive por empresas. Se você quer tornar o seu negócio mais sustentável, deve adotar medidas estabelecidas pelos 3 R’s para que sua coleta seletiva seja apropriada e, de fato, contribua com a preservação ambiental.

Entenda melhor o que significa Reduzir, Reutilizar e Reciclar.

1 – Reduzir

Quando pensamos em reduzir, devemos entender como também investir em produtos que garantam mais durabilidade, já que levam mais tempo para que sejam trocados.
Outras práticas também contribuem para a preservação dos recursos naturais como o não desperdício de alimentos, substituição de produtos que não são recicláveis pelos que são etc.

2 – Reutilizar

A reutilização também é um meio inteligente para contribuir com a natureza. É nessa etapa que pode-se utilizar várias vezes o mesmo produto de forma criativa e funcional, o que prolonga a sua vida útil.
Algumas pessoas confundem o que significa reutilizar com o ato de reciclar, mas os dois conceitos são diferentes.

3 – Reciclar

A reciclagem é o ato de transformar os resíduos em novos produtos. Isso significa que a matéria-prima de um determinado produto pode ser oriunda da reciclagem de um resíduo, que seria descartado na natureza. Essa atitude polpa os recursos naturais e supre as necessidades humanas.

Exemplos de Reciclagem

Para sanar qualquer dúvida sobre as diferenças entre reciclar e reutilizar, lembre-se que a reciclagem altera o estado físico, químico e/ou biológico de um resíduo enquanto reutilizar não realiza essa mudança.

Alguns exemplos são:

Sabemos que cuidar do meio ambiente é o melhor jeito de se ter qualidade de vida. Nós necessitamos dos recursos naturais para nossa própria sobrevivência.

Apostar nesses meios de reduzir, reutilizar e reciclar é ter a consciência de que um mundo melhor é construído através de ações individuais somadas às ações coletivas.
Invista na Reciclagem em sua empresa!

reciclagem de cosméticos

Reciclagem de Cosméticos contribui para preservar os recursos naturais

A Reciclagem de cosméticos, quando possível, é uma alternativa para atender a demanda de produtos inservíveis, que se tornaram impossibilitados para comercialização regular; ou seja, em relação ao uso inicialmente projetado. Dessa forma, segregando e separando os componentes podemos minimizar as destinações com impacto ambiental positivo.

O procedimento também é conhecido como Reciclagem Química e abrange a segregação e descaracterização de embalagens de forma automatizada, sem nenhum tipo de contaminação.

Na etapa seguinte ocorre a descaracterização Organoléptica, que resulta em embalagem e produto completamente descaracterizados e preparados para outras etapas.

As etapas são realizadas com:

  • Análise prévia e criteriosa.
  • Adequado planejamento.

Tudo sempre previamente acordado com o cliente.

Hoje, vamos te ajudar a entender como é feito o passo a passo para reciclar os cosméticos.

Passo a passo da Reciclagem de Cosméticos

Quando sua empresa investe em reciclagem, a sua marca demonstra a preocupação que tem em preservar os recursos naturais e promover a conscientização coletiva.

Atualmente, a Logística Reversa contribui para melhorar a imagem das empresas diante de consumidores cada vez mais engajados em comprar de empresas sustentáveis e preocupadas com o meio ambiente.

Retirada dos produtos

O primeiro passo para a Reciclagem de Cosméticos acontece com a retirada dos produtos não comercializáveis. Esse procedimento é feito com total segurança para que seja possível proteger a marca.

Descaracterização

As embalagens são separadas, através de procedimento automatizado em equipamentos de última geração e, posteriormente, os processos químicos são realizados adequadamente em um ambiente seguro e livre de contaminações.

Os cosméticos recebem, então, a descaracterização organoléptica mais adequada, estabelecida por um profissional especialista.

Geração de novos produtos

O procedimento de Reciclagem Química possibilita, quando adequado, a utilização dos componentes que poderão ser aproveitados dentro de uma cadeia produtiva, bem como gerar economia de matérias-primas retiradas do meio ambiente.

Dados sobre o Setor de Cosméticos, Perfumes e Higiene Pessoal

A Associação Brasileira da Indústrias de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos (ABIHPEC) divulga, anualmente, um panorama sobre a rentabilidade do setor.

Fizemos este comparativo dos últimos 10 anos para levar em consideração que o mercado brasileiro teve fortes crescimentos durante esse período, e que quem atua no setor consegue galgar resultados satisfatórios.

Essas informações permitem também que possamos compreender que esse grande volume de produção precisa de um planejamento eficiente de reciclagem.

gráfico sobre o panorama do setor de cosméticos

Número em bilhões de Reais

Alinhar crescimento da empresa com a responsabilidade socioambiental permite que haja um equilíbrio inteligente entre lucro e preservação do meio ambiente.

Leia também:

Reciclagem de Fraldas Descartáveis

Reciclagem de Fraldas Descartáveis: Uma solução eficiente de destinação final

Reciclagem de Fraldas Descartáveis pré-consumo é um procedimento ecologicamente correto em que as empresas ambientalmente responsáveis investem em uma destinação final sustentável.

Evolução do uso de fraldas

No século XIX, as fraldas de pano tomaram conta da rotina das pessoas e passaram a ser muito utilizadas até que empresas começassem a investir em tecnologia para produzir fraldas descartáveis somente década de 1940.

Por volta da década de 1980, as fraldas descartáveis passaram a ser mais acessíveis e a atingir um número maior de pessoas.

Essa mudança de hábitos, dar uma destinação adequada aos produtos inservíveis, pré-consumo, obsoletos e avariados tornou-se uma preocupação da indústria de fraldas.

Procedimento mais adequado para reciclagem de fraldas descartáveis

Reciclar um produto é uma medida que agrega valor à sua marca e promove a preservação ambiental de grande impacto positivo, considerando as dificuldades impostas nesse processo.

Especificamente a reciclagem de fraldas vem suprir um setor que tem dificuldades em encontrar uma empresa especializada neste tipo de procedimento.

Para reciclar fraldas há duas etapas:

  • Separação da polpa;
  • Separação das sobras (Scraps).

O primeiro passo é fazer a separação dos materiais, pois cada parte reciclável será enviada para um destino final diferente.

Essa separação acontece por meio de uma empresa especializada em reciclagem de fraldas, onde é possível efetuar a separação do produto em máquina específica e apropriada.

Separação da polpa

Após a separação da polpa, é realizada a reciclagem e envio para diversas empresas que utilizam esse material para fabricação de novos produtos, como a fabricação de tapetes higiênicos para linha “ pet ”, além de ser emitido laudo conclusivo, com detalhamento do processo.

Sobras

As sobras são encaminhadas diretamente para as empresas de reciclagem especializadas neste tipo de material.

Investir em reciclagem de fraldas é poupar o meio ambiente do contato prejudicial desse tipo de produto que pode levar mais de 500 anos para se decompor.

A RCRambiental é uma empresa pioneira no Brasil em oferecer soluções viáveis para produtos inservíveis e resíduos industriais.

Oferecemos o serviço de reciclagem de fraldas com todas as etapas feitas de acordo com o que determinam as normas e leis brasileiras. Para mais informações, entre em contato conosco.

Leia também: Gerenciamento de Resíduos Sólidos: Uma necessidade para o futuro do Planeta

Logística Reversa

Logística Reversa (Pós-Consumo) e o Gerenciamento de Resíduos Sólidos

A Logística Reversa é uma transformação no modo de pensar em como se lida com os produtos que saíram de uma fábrica/indústria.

Se antigamente o descarte em aterros sem nenhum planejamento era a saída mais usual, atualmente a responsabilidade socioambiental exige uma preocupação maior a dar uma destinação final mais adequada.

Para entender melhor essa história, nós vamos te explicar o conceito sobre esse tema e como ele é aplicado na prática.

A origem da Logística Reversa

A Logística Reversa, como a conhecemos atualmente, começou a ser desenhada por volta dos anos 1990, período pós-industrial em que se foi possível perceber que a industrialização trouxe um aumento do uso dos recursos naturais finitos e que era necessário pensar em medidas que fossem capazes de diminuir os impactos ambientais.

Alguns importantes nomes tiveram papel crucial em propagar o conceito de Logística Reversa, tais como James R. Stock, Craig R. Carter e Lisa M. Ellram.

Atualmente, estudiosos sobre o assunto definem que o ciclo produtivo exige um planejamento sobre o reaproveitamento de produtos e resíduos industriais, bem como a reciclagem dos materiais aptos aos procedimentos capazes de reintroduzi-los nos processos produtivos de uma empresa.

3 benefícios de se investir em Logística Reversa

O comportamento dos clientes de diferentes segmentos do mercado tem mudado gradativamente.

A preocupação com o meio ambiente, preservação dos recursos naturais e a busca por produtos fabricados por empresas responsáveis tem crescido em nosso país.

Com base nessas informações, as fábricas/indústrias têm ido em busca de melhorar seus processos e reduzir seus impactos na natureza.

1 – Um meio ambiente mais preservado

Todos os recursos naturais, sem exceção, são finitos. Isso significa que o uso desenfreado e sem nenhum tipo de planejamento e/ou compensação é proporcionar apenas malefícios à sua empresa, à natureza e à sociedade.

Ao criar políticas de gestão ambiental e implantá-las em sua empresa, você garante que haja um ciclo muito mais produtivo, com Valorização dos Resíduos e envio aos destinos finais mais apropriados.

2 – Dedução Fiscal

O governo brasileiro, por meio da Lei do Imposto de Renda RIR 99, artigo 291, permite a dedutibilidade de impostos sobre os custos dos produtos inservíveis (não comercializáveis).

Na prática, você pode encaminhar seus produtos obsoletos, com algum tipo de avaria, bem como matérias-primas e embalagens não comercializáveis para:

  • Receber a descaracterização (Proteção da sua Marca);
  • Tratamento mais adequado e envio para destinação final com menor impacto ambiental;
  • Obter o equivalente a 34% referente aos custos estimados para os produtos sem comercialização, informados em laudo conclusivo.

3 – Custos reduzidos

Algumas empresas resistem à Logística Reversa por imaginar que pode haver um aumento nos custos. No entanto, o que acontece é exatamente o contrário. Ao investir neste procedimento, há uma significativa redução.

Você pode realizar comparações para identificar que o investimento vale a pena.

Leia também: Gerenciamento de Resíduos Sólidos: Uma necessidade para o futuro do Planeta

gerenciamento de resíduos sólidos

Gerenciamento de Resíduos Sólidos: Uma necessidade para o futuro do planeta

O Gerenciamento de Resíduos Sólidos é uma exigência estabelecida pela Lei 12.305/10 – Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS).

A Lei contribui para orientar sobre as medidas legais que as empresas devem tomar para investir em soluções viáveis em gerar hábitos saudáveis em seus ambientes corporativos.

Para compreender os principais métodos para gerenciar resíduos sólidos, você precisa saber o que os diferem dos rejeitos.

Entende-se por Resíduos Sólidos tudo que não é mais comercializado, mas possui valor econômico que permite a reciclagem ou seu reaproveitamento. Já os rejeitos não podem mais ser reaproveitados e nem reciclados.

Gestão Integrada dos Resíduos Sólidos

Segundo a definição do Ministério do Meio Ambiente, a Gestão Integrada dos Resíduos Sólidos abrange a todas soluções que contribuem para minimizar os seus impactos ambientais, o que inclui os investimentos em Reduzi-los, Reutilizá-los e Reciclá-los (3R’s).

Ter um planejamento estratégico é o melhor caminho para gerir eficientemente os resíduos gerados por sua empresa, pois cada caso merece uma avaliação minuciosa de qual procedimento é o mais adequado.

Logística Reversa e o Gerenciamento de Resíduos Sólidos

Falamos sobre a Logística Reversa em nosso artigo: Investir em Logística Reversa contribui com a economia e meio ambiente.

De forma resumida, trata-se de várias ações que têm como objetivo recolher os produtos e embalagens em suas fases de pós-consumo.

A lei determina que o recolhimento deva ser viabilizado pelo próprio fabricante e encaminhado para o seu próprio ciclo produtivo ou de outros.

O recolhimento é obrigatório para alguns setores, tais como:

  • Pilhas e baterias;
  • Pneus;
  • Lâmpadas fluorescentes, de vapor, sódio, mercúrio e luz mista.

Investimento em Gerenciamento Global de Resíduos

O ato de centralizar em uma mesma empresa toda a gestão dos resíduos sólidos é ter o comprometimento em lidar de forma mais assertiva não apenas com um dos processos, e sim com todas as etapas.

O Gerenciamento Global de Resíduos é responsável por:

  • Gerir a mão de obra qualificada;
  • Transporte dos resíduos sólidos;
  • Fornecimento de equipamentos apropriados;
  • Promover a valorização de resíduos recicláveis;
  • Ter controle operacional;
  • Emitir laudos técnicos etc.

O que parece ser complexo é facilitado por uma empresa especializada em gerir os diferentes tipos de resíduos sólidos. Com ela, torna-se possível cumprir o que se determinam as leis ambientais vigentes, bem como as diretrizes corporativas, além de enraizar uma cultura organizacional mais produtiva e o respeito aos recursos naturais.

Leia também: Logística Reversa (Pós-consumo) e o Gerenciamento de Resíduos Sólidos